quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

A diferença: Capitalismo x Keynesianismo - Keynes e seus golpes

Keynes ainda dá golpes - Desastres de uma presumível revolução (LOR) 

 

Num ensaio do economista americano Hunter Lewis (Where Keynes went wrong) estão descritos os erros doutrinais e os desastres práticos da chamada revolução keynesiana. De Keynes, assim como de Garibaldi, não se deve falar mal. Faremos um esforço. Mas somos obrigados a chamar em causa o economista inglês porque as políticas económicas actualmente aplicadas nos Estados Unidos, e em parte na Europa, parecem inspirar-se exactamente nas suas doutrinas.

Em síntese, e com a necessária simplificação, Keynes ensinava que para enfrentar um período de crise económica, prescindindo das suas origens, era necessário sustentar a procura a qualquer custo, penalizando por conseguinte o hábito à poupança. Consequentemente, o estudioso propunha que se fizesse o que se faz hoje, sobretudo nos Estados Unidos: promover o consumo individual e pagar a prestações, aumentar a despesa pública, salvar as empresas em dificuldade para manter o trabalho e, portanto, a procura. E, naturalmente, emitir papel moeda e aumentar os impostos.

Estamos a descobrir que a política económica que vimos adoptada nos últimos anos tem um nome: é a famosa doutrina keynesiana. Uma doutrina que continua a ser seguida nos Estados Unidos, onde hoje se está a nacionalizar a excessiva dívida particular com a finalidade de reactivar o consumo. A chamada nacionalização acontece sobretudo quando se salvam os bancos que tinham concedido demasiado crédito, sem garantias adequadas. O financiamento para o resgate ocorre através da emissão de moeda.



Na Europa, ao contrário, onde o âmbito particular não se encontra demasiado endividado, a política keynesiana enfurece-se contra a desprezada poupança. Ela transforma-se em instrumento para absorver através da privatização a enorme dívida pública, dos bancos e das empresas.

Quer nos Estados Unidos quer na Europa, embora com problemas quase opostos, a solução para o aumento da dívida - com a finalidade de apoiar um crescimento do PIB necessário para compensar a diminuição demográfica - é realizada com a política keynesiana da taxa de juros zero (que depois da inflação verdadeira se tornam até negativos).

Com efeito, a taxa de juros zero equivale a uma transferência de riquezas da parte de quem foi um poupador virtuoso (embora não o seja para Keynes) para quem se endividou virtuosamente (na opinião de Keynes). Na prática, trata-se de um imposto oculto sobre os pobres poupadores, um imposto que se transfere aos ricos: Estados, empresários e banqueiros demasiado endividados.

A alternativa à taxa de juros zero é o colapso do sistema económico com esta consequência: o incumprimento. Contudo, a taxa de juros zero é insustentável e perigosa. Ela destrói a poupança, que é um recurso essencial para criar a base do crédito bancário; favorece a especulação mobiliária e a imobiliária, criando valores artificiais ilusórios ao invés de os redimensionar; impulsiona o consumo a prestações com mais riscos; altera o mercado com valores artificiais e com isto deixa crer que os próprios mercados não sabem autocorrigir-se.

Sobretudo, a taxa de juros zero permite, ou impõe, que os governos administrem a economia sem corrigir a ineficiência e facilitando distorções na concorrência. Com a consequência de estimular cada vez mais a fuga dos empresários privados na deslocalização produtiva.

Mas tudo isto deixa imaginar também que a manobra escolhida para que no futuro a dívida criada seja absorvida - tanto nos Estados Unidos como na Europa, cerca de três vezes o PIB - é a inflação. Que não explode porque o consumo permanece prudente e necessariamente baixo. E alguns desejam novos impostos para sustentar um renovado estatismo que reforce uma classe política bastante débil em todo o mundo ocidental.


Link do post: http://spedeus.blogspot.com/2011/01/keynes-ainda-da-golpes-desastres-de-uma.html

ETTORE GOTTI TEDESCHI

0 comentários :