quinta-feira, 1 de março de 2012

A DIREITA E O CONSERVADORISMO

A DIREITA E O CONSERVADORISMO


28/02/2012




No artigo anterior (Direita, volver!) o foco do meu argumento era o segmento político da direita, como o título bem exalta, e não o conservadorismo, ali sublinhado apenas para diferenciá-lo da direita liberal. O liberalismo doutrinal é sempre problemático, pois ele é filho do Iluminismo e tem um vocação revolucionária. O liberalismo tido por "clássico" acabou por ser o contrapeso da revolução, emblematicamente representada pela Revolução Francesa, porque afinal a ordem precisa ser restabelecida para a vida prática possa continuar. O grande contributo teórico dos liberais está no âmbito da ciência econômica, pois os economistas liberais demonstraram a racionalidade superior do Estado mínimo e das livres trocas. Esse ramo do liberalismo constitui seu segmento à direita do espectro político.

Desde logo: entendo por direita o posicionamento político que propõe o Estado mínimo, em oposição aos movimentos políticos de esquerda, de natureza coletivista.  E também aquele que busca um marco jurídico em consonância com o Direito Natural. Há também a esquerda liberal, que põe foco na quebra dos valores morais e no igualitarismo. Este ramo do liberalismo virou linha auxiliar dos movimentos coletivistas, atualmente mergulhados na revolução cultural.

Digo isso porque quero comentar a réplica escrita por Joel Pinheiro, autor que conheço de suas atividades na editoria da revista Dicta&Contradicta (Conservadorismo religioso não se salva - Uma resposta a Nivaldo Cordeiro). Até então eu não sabia que o autor do texto anteriormente comentado era o Joel, pois o mesmo não estava assinado.

O fato é que fiz um comentário rápido, no contexto em que analisava o segmento da direita. Mas Joel puxou o argumento para discutir conservadorismo. Eu sou conservador, embora no âmbito econômico endosse sem rodeios o programa liberal clássico. Chamo a atenção aqui para o excelente texto do lusitano João Pereira Coutinho, publicado na própria revista Dicta&Contradicta (Em busca do equilíbrio) que fez excelente resumo das ideias conservadoras. O Joel, na réplica, usou o termo como Coutinho lembrou que liberais e esquerdistas fazem ao se referir a alguém conservador, sempre com um tom acusatório e censurante:
" Conservador é um bom termo de insulto. Vivemos num tempo progressista: um tempo que acredita na missão transformadora da política rumo a um fim determinado. O conservador é a pedra na engrenagem. Ele levanta dúvidas. E, levantando dúvidas, ele coloca em causa a suprema vaidade do ser humano: a vaidade na sua razão e na capacidade da razão para produzir resultados perfeitos.Este é o tom vulgar do insulto: o conservador como obscurantista, retrógado, reacionário".

Posso dizer que quase me senti insultado pelo Joel, nesses termos: "Olha o conservador!", como se dissesse: "Olha o estúpido!".
Joel se queixou que conservadores como eu não têm um programa de governo. Tem sim: evitar mudanças abruptas, em situação de normalidade. Isso é um programa. Liberais e esquerdistas acham que podem aperfeiçoar o mundo e a alma humana. Conservadores sabem que essa tarefa é impossível e que todas as revoluções levam a uma destruição insana, por conta dessa miragem perfectibilista. Ele escreveu: "E o conservadorismo é uma ideologia medrosa: subjuga sua mente ao peso do passado, como forma de fugir da responsabilidade (em verdade inescapável) do pensamento individual".

Essa é uma visão errada do conservadorismo, pois ele não é uma ideologia: o conservador está sempre de olho no real e desconfia daqueles que o querem aperfeiçoar por força de lei. Tampouco está sob o jugo do passado, apenas sabe que o fatos sociais, como os naturais, não dão saltos. Sempre que se tenta, o que se tem produzido são pilhas de cadáveres.
Joel chega ao cerne de seu argumento ao escrever: "O verdadeiro inimigo do conservadorismo não é o socialismo, ou a esquerda (que pode ser conservadora, como são os nossos velhos conservadores - ACM, Sarney, etc. - e como era a elite do partido comunista na União Soviética), mas a razão".

Antes: "Ao elogiar o surto de moralismo e escândalo que tomou conta das eleições presidenciais passadas, Nivaldo apenas ilustra a fraqueza de sua própria posição: pois se aquela histeria é exemplo do que, na concepção dele, devemos almejar, se aquele é o tipo de debate político que ele espera do Brasil, então estamos num dilema entre o estatismo amoral e o fundamentalismo furioso. O ideal do conservador religioso está mais para uma turba de fanáticos do que para uma população educada e bem-intencionada".

O que citei (não elogiei, não era o caso) é que José Serra foi para o segundo turno nas últimas eleições presidenciais porque houve uma mudança no voto conservador, contra o PT, que está deformando o sistema jurídico nacional, penalizando as virtudes e obrigando a prática dos vícios. Em todo mundo está havendo a reação à revolução cultural e aqui também. Aí que eu havia sublinhado o foco moral dos conservadores, que diverge assim dos liberais como o Joel, e sua força político-eleitoral.

Joel não percebe que estamos em pleno processo revolucionário niilista, nos mesmos termos que viveu a Alemanha no anos Trinta. Thomas Mann deixou registrado na sua obra que aquele movimento político foi possível porque, antes, na Alemanha, tivemos o esteticismo, tão "avançado" como o programa de revolução cultural levado a cabo pelo PT, apoiado pelo liberais que se julgam senhores da razão. O custo para a Alemanha e todo o mundo daquela loucura niilista não foi nada pequeno.

Joel, aliás, argumentou: "A origem e o fundamento da ética revelada por Deus na Bíblia é a natureza humana; e a natureza humana é cognoscível pela razão; e quando derivada da razão, chamamo-la de lei natural". Ele parece ser um bom herdeiro do estoicismo. Acontece que, superior à lei natural da razão, está a lei divina, que se deu a conhecer pela Revelação. Por isso Cristo se fez necessário. É próprio da arrogância dos tempos modernos confundir a razão com a fonte de tudo, até mesmo da própria divindade, uma besteira monumental, o erro mais colossal. Deus está acima da razão, essa é a obviedade que os modernos, como Joel, não conseguem mais enxergar.

Mas importa o fato político fundado na moral: um número considerável de brasileiros agora se deu conta do malefício que os revolucionários do PT, ajudados pelos liberais esclarecidos como Joel, estão fazendo em matéria de costumes e estão dispostos a dar um basta, a sair da passividade. Candidatos que defendem o aborto, o gaysismo e coisas assemelhadas terão muitas dificuldades nas próximas eleições, porque essa gente conservadora não apenas vota, mas faz campanha.  A lei moral é inegociável.

0 comentários :