sexta-feira, 17 de agosto de 2012

A fria análise do PT sobre o mensalão


Em reunião sigilosa que vazou, a nomenklatura do PT nomeou uma Comissão para analisar as repercussões de possível decisão do STF sobre o Mensalão.

Foram consideradas no meticuloso exame que contou com a participação de expoentes do Foro de São Paulo, as medidas de subterfúgio e esvaziamento da comédia, como as Olimpíadas, que fatalmente atrairiam a atenção do populacho, o incentivo às greves que encheriam a paciência da turba, um incremento na CPMI do Cachoeira, o esculacho no Paraguai, a viagem à Londres da exultante e copiosa comitiva e outras milongas.


Na primeira hipótese - a da absolvição da quadrilha -, concluíram que a dominação do País estaria concretizada, e estava prestes a ser inaugurada a República Da Manipulação Democrática Do Brasil. Seria o apogeu da máxima de “os fins justificam os meios”, ou “no dos outros é refresco”, prenúncio de que em breve todos os prefeitos, governadores e ministros seriam associados, subordinados ou simpatizantes do petismo e adoradores de seu ícone, o cara.

Na segunda - a punição de uns poucos acusados de menor proeminência - , pouco mudaria a avaliação anterior. Apenas um leve oba - oba de repulsa àquela decisão, cuja culpa seria por ação da implacável e nojenta oposição . Enfim, da canalhada que é contra o Brasil para todos.

Na terceira - idêntica à segunda, mas com a inclusão de uns envolvidos mais salientes, como o Dirceu -, também, foi considerada que pouco mudaria a primeira avaliação. Aqueles membros seriam expulsos estrondosamente, como exemplo de repulsa para os que agem com aloprado pensamento, e destoam por falta de tato na arte de enganar os propósitos e artimanhas do partido.

Na quarta - a condenação de todos ou da maioria -, também pouca mossa causaria na visão de que o País está no papo. A expulsão, como A prevista na terceira hipótese, seria levada às ultimas conseqüências, e a mídia devidamente acionada exporia a coragem do Partido em chegar aos extremos para limpar o seu nome.

Assim, somando e diminuindo, chegaremos à conclusão de que Esta M. Não Tem Solução (EMNTS), conforme abalizado adágio de um conhecido e respeitado conhecedor dos descaminhos do cenário nacional, isto é, vertendo para o inglês, como fala o nobre filósofo, “This shit has no solution”, e não adianta inundar o excremento de perfume e bom - ar, nem adorná – lo com pó de ouro, que a bosta é a mesma.

De nossa profunda e escura caverna, chegamos à brilhante conclusão de que entre mortos e feridos do PT se salvarão todos, muito pelo contrário; o ex-presidente, grande beneficiário do mensalão, que nem chamuscado ficou, será idolatrado pela capacidade de ludibriar os tolos; a dama atual que afastou-se do problema e foi para as Olimpíadas com gigantesca comitiva, deverá subir nas pesquisas da CNT/Sensus.

O povaréu vê com grande simpatia os esforços da presidência em deslocar-se para Londres, a fim de animar os atletas nacionais com a sua presença e vivaz torcida.

Felizmente, como nos ufanamos, deu certo.

O resultado do julgamento do mensalão será similar a nossa participação nas Olimpíadas: um assombro.





Valmir Fonseca Azevedo Pereira é general reformado.

0 comentários :