domingo, 2 de junho de 2013

Hitler e Stálin eram "irmãos espirituais", diz testemunha da batalha de Moscou


Oficialmente, a Batalha de Moscou durou de 30 de setembro de 1941 até 20 de abril de 1942. No confronto, dois dos maiores exércitos da época eram comandados por tiranos que enviavam milhares à morte: Adolf Hitler e Joseph Stálin. Para Valeria Prokhorova, estudante moscovita durante a aliança e o combate nazissoviético, Hitler e Stálin eram "irmãos espirituais".
"Durante algum tempo, eles pareceram aliados naturais, dois ditadores que se espelhavam um no outro de tantas formas que pareciam compor o par perfeitamente ajustado no cinismo, astúcia e inacreditável brutalidade", conta Andrew Nagorski no livro "A Batalha de Moscou".
Reprodução
Foto do pacto de não agressão entre Alemanha e URSS e charge francesa com Hitler e Stálin; imagem do livro 'A Batalha de Moscou'
Foto do pacto de não agressão entre Alemanha e URSS e charge francesa; imagem de 'A Batalha de Moscou'
Antes incursão à União Soviética, Stálin e Hitler assinaram um pacto de não agressão e se uniram para invadir a Polônia em setembro de 1939. A ofensiva foi um dos eventos que desencadearam a Segunda Guerra Mundial (1939-45). Pouco tempo depois, o líder soviético mudou de lado, se alindado aos Estados Unidos e à Inglaterra.
Divulgação
Livro trata de como Stalin transformou em vitória o que parecia uma debandada
Como Stálin transformou em vitória o que parecia uma debandada
Operação Barbarossa, tentativa alemã de invadir a URSS, foi iniciada em 22 de junho de 1941 e rompeu o tratado entre os dois países. Moscou e Leningrado, atual São Petersburgo, foram palcos de confrontos famosos da Segunda Guerra.
"Sete milhões de soldados se envolveram em algum episódio dessa batalha", escreve Nagorski. "Desses, 2,5 milhões morreram, foram feitos prisioneiros, desapareceram em ação, ou se feriram com gravidade suficiente para exigir hospitalização, sendo muito maiores as baixas no lado soviético do que no alemão".
Nos primeiros dez dias de invasão do país por tropas alemãs, em 1941, o ataque, uma verdadeira chacina de civis e militares segundo o historiador Constantine Pleshakov, colocou Moscou diante de sua maior ameaça. O exército russo ficou parado enquanto os nazistas avançavam quilômetros e assassinavam milhares de pessoas em fuga.
O fracasso da investida de Hitler enfraqueceu substancialmente a frente oriental de seu exército. Leia trecho de "A Batalha de Moscou".
*

Autor: Andrew Nagorski
Editora: Contexto
Páginas: 352
Quanto: R$ 45,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

0 comentários :