quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Trump e "A vitória da intolerância" - desenhe para seu amigo esquerdista a liberdade de expressão




"Ah, o Trump ganhou" - choraminga aquele teu amiguinho esquerdista, engajado, que mal sabe em qual vereador votou e o partido que ele faz parte. Ele mal se lembra o nome inteiro do deputado que votou nas últimas eleições, mas já entende tudo o que acontece nos EUA.

É comum qualquer cidadão comum, médio, ficar balbuciando coisas contra Donald Trump, que se tornou alvo sistêmico de xingamentos sem sentido, principalmente se tratando de eleitores brasileiros. 

Toda essa chatice (reprodução da cabeça esquerdista) é mundial. Só mudam o endereço e o modus-operandi. Perceba algumas coisas: pergunte sempre ao seu amigo, aquele "engajado" da faculdade, quantos discursos do Trump ele assistiu? Comumente, a opinião dele vai ser uma reprodução, vejam só, da GLOBO NEWS. Sim!, aquele teu amiguinho esquerdinha radical vai reproduzir coisas que viu na Telinha "ultra-direita-golpista-PIG". 

Outro fato é: esse teu amigo já foi contra alguma ditadura socialista? Talvez nenhuma. O chororo sobre o regime brasileiro sempre vai ser "mimimi - ditadura cruel, sangrenta, sem liberdade de expressão, que matou milhões". Mas perceba quão doentia é a mente dele: 

Reprodução do Clipe de Marlyn Manson
- O que há nessa foto? É um clipe novo do Marly Manson, famoso cantor de Rock nos EUA, polêmico anti-cristão, dito satanista, que fez um clipe decapitando a cabeça de Trump. 

Em qualquer país do mundo (oh, a ditadura americana"), Manson talvez seria preso por suas ideias loucas, seus discursos abertos de ódio ao cristianismo e suas babaquices reproduzidas por aborrecentes de satã. Manson não só representa a livre expressão, algo que nenhum país (incluso o Brasil) socialista (ou que caminha para) jamais permitiria. É (era) um candidato, sendo debochado e com um clipe de ritual macabro. 

- Outro porém é:  Trump não fez discurso algum contra negros, mexicanos, "brasileiros" (repórter da Band News disse que ele era preconceituoso com brasileiros), apenas disse o óbvio: não queremos MARGINAIS que atravessam a fronteira ilegalmente. Engraçado, não? Todo mundo quer isso, tirando o Brasil que é praticamente a casa da mãe Joana.

Quando você compara isso às ditaduras socialistas, o que é pior: o governo proteger seus cidadãos, impedindo marginais  de entrarem, ou IMPEDIR o direito de ir e vir, como no caso de Cuba, Venezuela, Coréia do Norte e afins? Governos de esquerda cerceiam a livre manifestação, o direito de ir e vir, o direito à livre imprensa. 

- "Trump foi machista blá blá blá" - vejam que Hillary teve provas nítidas, abertamente divulgadas pelo FBI, provas cabais e contundentes de racismo, pedofilia, satanismo, mas, claro, como não é o Trump, todas essas provas são apenas "acusações do FBI". Os milhares de e-mails dos Clinton, mostrando a face maléfica dessa gente, são coisas totalmente descartadas pelo jornalismo tão esquerdista brasileiro. Seria como aprovar o que Hitler faz, apenas pelo discurso (público) politicamente correto que ele pratica. 

Qual o nome de toda essa aprovação apenas do "discurso de poder"? Gramsci já dizia claramente: "tomar as instituições". Vejam a paralaxe cognitiva (Olavo de Carvalho) em que esses sujeitos vivem: Vivem uma ideia, assim como os doentes artistas americanos (e muitos brasileiros), vivem uma vida capitalista, mas qualquer coisas que abarque o poder de seus aliados, seja o partido, ou projeto de poder, torna-se verdadeiro. Vou explicar: Esse sujeito passa a reproduzir como verdade qualquer coisa que Hillary diz, mesmo que sejam e-mails pedófilos, apenas por seu projeto de poder. 


Percebam isso no Brasil: Membros do PT e apoiadores dos partidos de esquerda fazem o mesmo: mesmo com tantas provas, escândalos, corrupção, roubo, seus membros defendem os comandantes com unhas e dentes, como se fossem coitadinhos, vítimas de mentiras golpistas.  Notem que essas pessoas perdem o senso de justiça: não é mais necessária a apuração, pois todos são inocentes, vítimas de um golpe social. Se você perde o senso de justiça em relação a si mesmo, outrem, ou um país inteiro, então você perdeu o senso de democracia e já vive, mentalmente, o projeto de uma ditadura. 

por: Leandro Souza 

0 comentários :